quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Reflexo roto

Hoje eu vi meus poros abertos na face do espelho. Eu senti falta do meu cabelo cacheado e me dei conta que minha sobrancelha está desfeita há meses. Hoje eu vi a verdade das minhas falsidades. Meu cabelo é loiro tinto e eu não tenho mais o mesmo rosto de antes. Só meus óculos que não mudaram de formato. Hoje eu vi que eu não faço minhas unhas desde a última estação - e elas crescem desorganizadamente. Eu lembrei o porquê de eu dormir na cama de baixo: é que eu não preciso arrumá-la - só arrastá-la pelas rodinhas. Hoje eu comprei um livro de Fernando Pessoa - e descobri porque eu não sou intelectual. Hoje eu tive vontade de ser intelectual. Eu tive vontade de arrumar a cama, ler livros, cortar as unhas, ter meus cachos de volta - e mudar o formato dos meus óculos. Hoje eu me enxerguei no espelho - e até falei de mim no telefone com a minha amiga irmã. Hoje eu dei de cara com a minha solidão - e com as culpas que admiti partes do cenário desse meu reflexo roto no espelho. Hoje eu tive vontade de, com menor crueldade, ser autenticamente eu.


4 comentários:

  1. Sê o que és,
    a aparência é como
    um reflexo roto no espelho.


    Muito bom.

    Beijo carinhoso.

    ResponderExcluir
  2. Ola
    nossa que texto espetacular!!!
    Você é escritora?
    Gostei muio mesmo...
    É maravilhoso tudo que escreve...
    Tem espontaneidade e simplicidade nas palavras, ao mesmo tempo que conseguem atingir profundamente...
    Parabéns!
    Seguindo-te!
    Conheça o Clube dos Novos Autores, e ganhe livros nos sorteios, basta apenas comentar.

    Beijos querida.
    CLUBE DOS NOVOS AUTORES.

    ResponderExcluir
  3. "Hoje eu tive vontade de ser intelectual"
    você já é, ja faz parte disso, por isso a angústia do texto, só os intelectuais são angustiados

    ResponderExcluir

Lança uma flor ou uma flecha. Só não passes por aqui sem deixar-me um pouco de ti.

Imagens

http://photo.net/

google/imagens

Visitantes

Seguidores

No jardim...

Siga-me por email!