sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Mentira



Os dias (in)tranqüilos,
O vento em seus olhos
fechados:
cadeados do coração.

Nas horas da noite
Lamenta o travesseiro.

Os fantasmas sussurram-lhe
um tormento infernal
e você nem se dói.

Aquelas certas palavras
-as palavras certas-
trancadas no porão da alma
Nem se quer lhe são lembradas.

3 comentários:

  1. Mentira, mentira, mentira,...a chaga da humanidade! Contudo será que somos capazes de suportar toda a sinceridade do mundo, sem se emaranhar num casulo de sofrimento?

    Todos somos muito inferiores espiritualmente, não acha?


    Muita Paz!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Não tinha enxergado o poema por um olhar tão vasto. Por esse lado, sim... fantasiamos alguma alegria pra amenizar a angústia que sentimos pelas mazelas da humanidade. Acho ótimo que você contribua assim, tão profundamente sobre meus poeminhas. Nunca penso que eles possam ser tão bem interpretados. Não sei se é possível enxergar, mas a princípio eles são gerados por uma visão bem particular, por um caso, um 'algo' que me chamou a atenção. Ver que existem longas raízes embaixo das minhas palavras rasteiras me surpreende muito!

    Obrigada, Cristiano! Um abraço carinhoso!
    Mima.

    ResponderExcluir
  3. solidão disfarçada de paz!

    ps:comentando seu comentário: uma pessoa uma vez me falou que "o que escrevemos não é mais nosso, pertence a quem lê" dadas as res-trans-significaçãoes! ah gostei daqui1 simplicidade acolhedora!

    ResponderExcluir

Lança uma flor ou uma flecha. Só não passes por aqui sem deixar-me um pouco de ti.

Imagens

http://photo.net/

google/imagens

Visitantes

Seguidores

No jardim...

Siga-me por email!