sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Poema de um aprendiz do descanso

Querendo recorrer ao portal do que viria
Coração-angústia apressado corria
Procurava uma saída
A chave certa, um mapa guia
Estrela no céu, placas na estrada
Bússula, setas, códigos, desenhos nas paredes
Sinais de fumaça, aviões, um farol aceso
Qualquer direção
Apoio ao meu sonho, fascinação
Querendo certezas, um lugar seguro
Coração-pressa angustiado seguia
Numa corrida sem valia
Que só seguia e seguia
Sem chegada, sem lembrança
Do ponto de partida
Querendo o porto
Só achei oceano
E oceano é oceano quase sem medida...
Querendo descanso
Coração-cansaço se entregou à Vida
Saiu de foco o que viria.
Tudo, afinal, o que coração queria
Um afago, um lugar-calmaria
Uma nuvem fofinha onde descansar.
No lugar da espera, do sonho aquietado,
O Caminho, na Verdade, é a própria Vida
Só eu não sabia, sonho terno silenciado,
Vida ensina nova rota, cada outra trilha
E tudo é novo todo dia,
Sonho sem retas, resguardado.

2 comentários:

Lança uma flor ou uma flecha. Só não passes por aqui sem deixar-me um pouco de ti.

Imagens

http://photo.net/

google/imagens

Visitantes

Seguidores

No jardim...

Siga-me por email!